EventosImprimir

Mostrar todos

Eventos 2015 - Exposição «A Arte Rupestre do Vale do Côa» em Ulsan, na Coreia do Sul

A convite do Museu do Petróglifo em Ulsan, na Coreia do Sul, a Fundação Côa Parque vai inaugurar no próximo dia 9 de Setembro a exposição intitulada «A Arte Rupestre do Vale do Côa» que ficará patente durante três meses, sendo a primeira grande exposição dedicada ao Vale do Côa além-fronteiras.

Com cerca de 1,1 milhões de habitantes, a cidade de Ulsan, no Sudeste da Coreia do Sul, foi no passado um importante centro da pesca à baleia, actividade que terá começado na Idade da Pedra, por volta de 6000 a.C., conforme atestam as descobertas arqueológicas feitas na região. Com efeito, aqui se encontra o sítio arqueológico de Bangu-Dae, com gravuras feitas num período entre 6000 e 1000 a.C, incluindo muitas representações de baleias, e que está na base do Museu do Petróglifo.

 A Exposição

Comissariada por António Martinho Baptista, foi pensada e distribuída em dois módulos que se interligam:

No primeiro, sintetiza-se a história da salvação da arte do Côa até ao abandono da construção da barragem em finais de 1995 e da criação do Parque Arqueológico do Vale do Côa em 1996, assim como uma primeira sistematização do estudo da arte do Côa, cuja grande antiguidade, evidenciada pela arqueologia, seria decisiva para a tomada de decisão política do abandono das obras da barragem.

No segundo, mais desenvolvido, perspectiva-se o estado dos conhecimentos que hoje temos dos ciclos rupestres do Côa e do seu enquadramento arqueológico, centrados no tempo longo paleolítico.

Concede-se também particular destaque à criação do Museu do Côa, em 2010, enquanto grande centro de interpretação da arte do Côa e porta de entrada para a sua fruição pública.

A exposição consiste num lote de painéis com grandes ampliações fotográficas, acompanhados por desenhos de algumas rochas seleccionadas dos principais períodos artísticos do Côa. Haverá também réplicas de duas das placas de arte móvel com gravuras paleolíticas exumadas do sítio do Fariseu, e um dos mais importantes atractivos da exposição, realizada expressamente para esta mostra, será uma nova réplica da rocha 3 da Penascosa, a mais visitada rocha do Côa, com o seu notável e bem ilustrativo lote de sobreposições de picotagens profundas do período antigo do Côa. Esta réplica ficará seguidamente em depósito no Museu de Ulsan, assinalando na Coreia do Sul um dos marcos desta exposição, mas também convidando/desafiando os futuros visitantes desse museu a uma visita ao Museu do Côa e aos seus sítios de arte pré-histórica.

Para mais informação, ver também a página da Direcção Regional de Cultura do Norte dedicada à exposição.

© CÔA Todos os direitos reservados© All rights reserved